PALCOS IRREQUIETOS

“Palcos Irrequietos” é a nova proposta cultural para a infância, juventude e famílias, que promete ‘agitar’ os dias na cidade de Braga. Entre maio e dezembro, sete improváveis espaços como auditórios, jardins e museus serão palco deste projeto artístico, único e ousado promovido pelo município de Braga e levado a cabo pela Fértil Cultural. 

A infância e a juventude são habitualmente fases de muita irrequietação. É nesta energia, nesta capacidade de inventar e de criar, nesta imaginação fértil que se inspira os “Palcos Irrequietos”, oferecendo espetáculos de elevada qualidade nas áreas do teatro, música, cinema, dança e novo circo, proporcionando momentos artísticos de lazer para toda a família. O “Palcos Irrequietos” vem sensibilizar e transformar estes mundos imaginários da infância um pouco mais reais.

 
 
PROGRAMA
1 de Maio · 11h
“PLIP” – Red Cloud Teatro de Marionetas

Auditório Sebastião Alba da Escola Secundária Alberto Sampaio

PLIP

Um pequenino Planeta de sons

Um Planeta de bolacha

a cada que dia que passa

Um bolo de planeta no jardim do planeta

Ordenados e desordenados 

Pairam uns de pernas outros de cabeças

“PLIP” é um espectáculo de teatro de marionetas para crianças, falado na língua imaginária do planeta Plip. É uma viagem a um mundo sensível de sons delicados e personagens imaginárias que, como as crianças, experienciam o dia-a-dia de maneira sempre diferente.

A sua visão sobre as coisas nunca é a mesma procurando encontrar sempre novos e diferentes significados para momentos do seu quotidiano, de forma absolutamente livre de barreiras explorando os caminhos da simplicidade.

12 de Junho · 11h

“Estórias de Tiroleu e da Nau Catrineta” – Coração nas Mãos

Jardim do Museu dos Biscainhos

 

“Sobre o que é a tua história?”


A intrépida aventura do Capitão Tiroléu e sua amada Marieta. Como a Nau Catrineta afundou e o amor entre os dois triunfou.
Duas intérpretes, uma pilha de livros, um barquinho de papel.
Uma história através do corpo e do som. Uma ode às brincadeiras de criança.
O que pode acontecer aquando da manipulação de um livro.
Uma homenagem a contos simples e sonhadores inspirados nas histórias (en)cantadas do percussionista brasileiro Naná Vasconcelos.

10 de Julho · Dia inteiro

“INSono” – Sonoscopia

Jardim de Santa Bárbara

 

O que ouvem as plantas? Na sua calma e silêncio, as plantas escutam pacientemente os sons circundantes. Nas cidades, a auréola sonora é rica e abundante em sons fabricados pelos humanos. Mas há ainda os sons naturais, das folhas das árvores, dos pássaros, da chuva e do vento, que timidamente teimam em persistir no tempo. E é nos jardins urbanos que muitas vezes nos apercebemos da beleza dos sons, é aqui que aprendemos a parar e escutar, tal como o fazem as plantas, e a perceber qual é o nosso lugar no mundo.
INsono: O ouvido secreto das plantas é uma instalação sonora e um percurso onde se descobrem no jardins botânico, os sons envolventes e os sons de que o silêncio é feito.

11 de Setembro · 11h 

“Una, Duna” – Ana Sofia Paiva e Marco Oliveira
Mosteiro de Tibães

 

 

“O primeiro livro de um bebé é o rosto da sua mãe, a voz dos seus pais. Essas primeiras leituras agitam o seu pensamento; repeitá-las e nutri-las com novas histórias é permitir ao bebé construir-se enquanto sujeito (…)” Evelio Cabrejo-Parra


Contos que cantam, cantigas que contam e se podem contar – trava-línguas, lengalengas, impropérios, malucadas. Palavras que dão graça, que dão colo, que são a música, o alento e que trazem lá dentro, quem sabe, os mistérios do mundo.

16 de Outubro · 11h e 15h

Oficinas de cinema de animação com Abi Feijó e Regina Pessoa & Sessão de curtas metragens
Teatro Sá de Miranda

 

Mini-oficina de cinema de animação, com demonstração das técnicas do Cinema de Animação. Interação com aparelhos que tiram partido da ilusão das imagens em movimento, compreender o seu funcionamento e a sua história. Juntos vamos descobrir a magia das imagens em movimento.
Exibição de “Os Salteadores”, “Fado Lusitano” e “Clandestino” de Abi Feijó e “A Noite”, “História Trágica com Final Feliz”, “Kali O Pequeno Vampiro”, “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias” de Regina Pessoa.

13 de Novembro · 11h

“A Caminhada dos Elefantes” – Formiga Atómica
Auditório do Centro da Juventude

 

 

Este espectáculo conta a história de um homem e de uma manada de elefantes. Quando o homem morre, os elefantes fazem uma caminhada misteriosa a sua casa, para lhe prestar uma última homenagem: não era um homem qualquer, era um deles.
“A Caminhada dos Elefantes” é sobre a existência, a vida e a morte, e o caminho que todos temos de fazer, um dia, para nos despedirmos de alguém.

18 de Dezembro · 11h

“Cordão” – Fértil Cultural

Local a definir


Um dia, Margarida acorda e repara que tem um cordão ligado a si numa das extremidades do seu corpo. Na tentativa de se libertar deste cordão percebe que é indissociável do mesmo. Curiosa, começa a segui-lo na esperança de encontrar a outra ponta e desfazer-se dele. Este cordão é flexível, enrodilha-se e é muito grande mas não se quebra nem se desfaz. À medida que Margarida segue o cordão vai descobrindo histórias, pessoas, ligações com um passado desconhecido, uma viagem à sua infância e ao seu nascimento.
É o cordão da vida, o cordão que conta a história e que acumula histórias de outras vidas, de relações.

CARTAZ