A Fértil

Apresentação

A Fértil surge do encontro entre o teatro e a antropologia, duas formas de olhar para o ser humano como produtor de cultura e de questionar a sua condição de vida. Em 2010 é fundada a associação com o propósito de dar voz às criações e investigações que partam desse princípio. As criações da Fértil assentam essencialmente no teatro e na sua relação com as outras formas artísticas.

O teatro é por excelência o laboratório onde se permite a experimentação do nosso trabalho. Privilegiando as criações originais, permite-nos, como criadores, uma melhor abordagem às mais diferentes temáticas e a adequação destas ao nosso propósito, assim como a afirmação dos artistas envolvidos. É aqui que nos expressamos e onde partilhamos o nosso pensamento com o outro.

O objecto de trabalho da Fértil – arte, educação e cultura – é a base de desenvolvimento de todos os seres humanos, independentemente da sua etnia ou cultura. Estes três pontos são horizontais e pertencem a todos nós num formato não hierárquico. Acreditando nas capacidades de todos, a Fértil pretende desenvolver os seus trabalhos numa forma simbiótica de dádiva, partilhando os seus conhecimentos e aprendendo com os conhecimentos dos outros.

 

Direcção artística

Rui Alves Leitão

Nasceu em 1979.
Licenciado em Antropologia. Defendeu a monografia “Antropologia Teatral – Um Estudo Antropológico Sobre a Arte de Representar”, com trabalho de campo acompanhado por João Paulo Seara Cardoso.
É co-fundador e director artístico da Fértil Associação Cultural desde 2010 onde tem desenvolvido trabalho como encenador, músico, sonoplasta e produtor.
Trabalhou com várias companhias como o Teatro do Montemuro, Comédias do Minho, Teatro de Marionetas do Porto, balleteatro, Teatro e Marionetas de Mandrágora, Nuvem Voadora, Circulo Portuense de Ópera, Orquestra do Norte, Varazim Teatro.
Colaborou em espectáculos como técnico e assistente dirigidos por João Paulo Seara Cardoso, Carlos Avilez, António Durães, João Pedro Vaz, Victor Hugo Pontes, Isabel Barros, Né Barros, Carlos Clara Gomes, Neusa Fangueiro, Pedro Correia, Jaime C. Soares, Paulo Duarte, José Gonçalinho e Eduardo Faria.
Participou no seminário do ISTA em Sevilha dirigido por Eugenio Barba do Odin Teatret, assim como outras formações de teatro laboratório com Etelvino Vazquez do Teatro del Norte.

Neusa Fangueiro

Nasceu em 1980.
Terminou o curso de Interpretação do Balleteatro e o curso de Teatro de Formas Animadas.
É co-directora artística da Fértil e participa nas suas criações como actriz, dramaturga e criadora.
Do seu percurso profissional e académico destacam-se projectos orientados por Graeme Pullyen, Nuno Pino Custódio, Eduardo Correia, Steve Johnstone, Carlos Lamego, Manuel Costa Dias, Hélder Costa, Jorge Pinto, Isabel Barros, Roberto Merino, Vitor Hugo Pontes, Lígia Roque, José Ramalho, João Paulo Seara Cardoso.
Participou em workshops e formações complementares com: João Mota, Carlos Martinez, John Mohatt, Madalena Vitorino, Etelvino Vasquez, valter hugo mãe, Neyde Veneziano, Isabel Barros,  João Paulo Seara Cardoso, Margarida Azevedo de Abreu, José Carlos Garcia, Lídia Martinez, Andrey-Riot Sarcey, Jordi Bertran, Gisélle Barret e Stephen Mottram.
Participou no seminário do ISTA em Sevilha dirigido por Eugenio Barba.

 

Colaboradores

Alexandre Sá, Carlos Neves, Carmo Alves, Catarina Peixoto, César Cardoso, Clara Ribeiro, Claúdia Ribeiro, Cristiana Morais, Daniel Martins, Duarte Costa, enVide neFelibata, Etelvino Vázquez, Filipa Mesquita, Filipe Oliveira, Isabel Costa, José Rui Martins, Maria João Castelo, Margarida Ribeiro, Miguel Pipa, Migvel Tepes, Nuno Bravo Nogueira, Nuno Lopes, Paulo Capela, Paulo Neto, Rodrigo Viterbo, Rúben Marques, Sandra Neves, Terese Deduraite e Theresa Campos.

 

Apoios

Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão . Nuno Lopes (designer)

 

Parceiros

ACERT . Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão . Fundação Cupertino de Miranda . Nuvem Voadora . Teatro O BandoTeatro do Montemuro . Teatro e Marionetas de Mandrágora . Teatro Diogo Bernardes