“Memórias da Fronteira” espectáculo único em Valença

No próximo sábado, 16 de Junho, às 21h30, será apresentado em sessão única uma peça de teatro sobre as memórias do contrabando e trapiche em Valença. Esta peça é uma encomenda da ADRIMINHO à Fértil, que a partir do seu director, Rui Alves Leitão, escreveu e encenou a partir de várias entrevistas que foram recolhidas antecipadamente. A interpretação e construção cénica é feita com a comunidade local.

O espectáculo é o culminar de várias actividades ligadas à memória do contrabando e trapiche, desde uma exposição fotográfica a uma edição de uma revista com partes de histórias recolhidas.

Sinopse

Uma linha imaginária que divide dois países. Uma alfandega que protege essa linha imaginária. Todos fazem as suas vidas contrariando as regras para a qual foi criada essa linha. E quando ela acaba? O que é que começa?

A fronteira entre Portugal e Espanha teve fim a 25 de Junho de 1991. Até lá o contrabando e o trapiche deu de comer a muita gente. Valença, tal como todas as nossas raias, está cheia de histórias que ainda hoje podem ser lembradas por alguns. É a partir dessas histórias que o autor criou uma nova história, ficcional, mas no entanto, verdadeira.

O fim da fronteira permitiu novas vidas, assim como a criação desta peça.

Ficha artística

Dramaturgia e encenação Rui Alves Leitão
Interpretação Andreia Gomes, Cátia Sousa, Rita Nicolau e Vasco Prado
Cenografia Rita Nicolau
Investigação Cristina Ribeiro
Produção Executiva Salete Samico
Fotografia Estúdio Custódio Pereira
Agradecimentos A todos os dezasseis entrevistados que deram mote a esta peça de teatro, em especial ao Salustiano Faria pela sua disponibilidade e dedicação ao projecto.

“Eu é que conto” em Esmeriz

Continuando a nossa participação no programa Casa das Artes e Envolvente da Casa das Artes de V. N. de Famalicão, com o espectáculo “Eu é que conto”, a Fértil desloca-se esta semana a Esmeriz para duas apresentações para a escolas de Esmeriz e Cabeçudos, do concelho de V. N. de Famalicão.

As apresentações acontecem no da 14 de Junho na Casa de Esmeriz.

Mais informações em: http://www.casadasartes.org

Sinopse

Uma senhora que colecciona livros sabe-se lá onde, vem para contar uma história. Mas como é muito distraída chega atrasada, acaba por tropeçar em tudo e sem querer entra numa outra dimensão, a da imaginação. Confusa e com outros personagens a invadi-la constrói uma história diferente, divertida e cheia de criatividade. Baseando-se nos contos dos irmãos Grimm e histórias tradicionais portuguesas esta senhora dá-nos um momento de teatro surpreendente.

“Eu é Que Conto” em Cabo Verde

Pela segunda vez, a Fértil internacionaliza o seu trabalho, desta vez rumo a Cabo Verde para participar no MOTIM – Mostra de Teatro Infantil do Mindelo, a convite do ALAIM. A nossa presença está marcada para o dia 4 de Junho da cidade da Praia (Ilha de Santiago) e no dia 6 em Mindelo (Ilha de S. Vicente).

Levamos connosco na (literalmente) mala o “Eu é Que Conto” para contar a história da senhora bibliotecária que de tantos livros que lê se perde nas aventuras, misturando vários contos dos Irmãos Grimm e contos tradicionais.

Podem consultar todo o programa aqui: https://www.facebook.com/MOTIMCaboVerde/

Participação de Neusa Fangueiro com o Teatro e Marionetas de Mandrágora

O Teatro e Marionetas de Mandrágora é uma das companhias parceiras da Fértil com quem mais regularmente trabalhamos. Sendo a nossa Directora Artística, Neusa Fangueiro, co-fundadora do Teatro e Marionetas de Mandrágora e aficionada pelas marionetas, esta parceira é um acto natural e que esperamos que se prolongue por muitos e bons anos.

Mais uma vez, Neusa irá andar pelas ruas a contar a “Farsa do Mestre Pedro Pereira”. A Trupe dos Bonifrates, um grupo de atores, que de cidade em cidade deambula representado nas praças o seu reportório.
Este espetáculo é uma comédia de enganos, onde as personagens revelam o seu carácter corrupto através do negócio de um pano que não valia o que o mercador pedia porque os carneiros do qual tinha sido feito foram mortos pela pastora que fez um negócio com o advogado para enganar o mercador que tinha sido convidado pela mulher para comer um pato que ainda estava no ovo e beber um vinho que ainda estava na uva.
Todas estas confusões e enganos levam todos a ganhar e a perder…

A apresentações serão entre os dias 31 de Maio e 3 de Junho, no Festival Memórias da História – Torres Novas.

Mais informações em: http://marionetasmandragora.com