“Morro de Amores” em Arnoso Santa Maria

Amanhã, dia 18 de Novembro, às 21h30, estaremos na Sede da Banda de Música de Arnoso para mais uma apresentação do nosso espectáculo “Morro de Amores”  no âmbito do programa “Casa das Artes e envolvente” da Casa das Artes de Famalicão.. A entrada é gratuita sujeita à lotação da sala.

Apareçam!

Local: Sede da Banda de Música de Arnoso
Rua de Santa Maria de Arnoso

morro_de_amores9

Sinopse

Perto da aldeia há uma árvore com um pequeno banco, que de tão pequeno quando se sentam duas pessoas elas ficam muito juntas. Acredita-se que a árvore tem poderes. Essa árvore fica bem lá em cima, no Morro de Amores, como todos o chamam. Nesse morro sentem-se histórias de amor que se perpetuam no tempo e fazem crescer esse morro de dia para dia.

O espectáculo “Morro de Amores” surge inspirado por conversas com um grupo sénior com quem a Fértil desenvolveu um projecto artístico e comunitário sobre o tema amor.

FICHA ARTÍSTICA

Texto Rui Alves Leitão
Encenação Neusa Fangueiro
Interpretação Alexandre Sá, Isabel Costa e Rui Alves Leitão
Cenografia Migvel Tepes
Música Rui Alves Leitão
Costureira Carmo Alves
Desenho de Luz Paulo Neto
Fotografia Margarida Ribeiro
Vídeo Rúben Marques
Co-produção Fértil, Casa das Artes V. N. Famalicão e Teatro Diogo Bernardes
Apoio Município de V. N. Famalicão e Município de Ponte de Lima

“Morro de Amores” na Maia, Quinta da Caverneira

No próximo fim-de-semana, 5 e 6 de Novembro iremos apresentaro espectáculo “Morro de Amores” na Quinta da Caverneira, em Águas Santas, Maia. Estas duas apresentações inserem-se no programa de acolhimento do Teatro Art’Imagem com o apoio do Município da Maia.

Informações e reservas
222 084 014 – 935 309 952 – teatroartimagem@hotmail.com

Bilheteira
5€ Normal
3€ Estudantes, M/65 e Profissionais das Artes Cénicas

morro_de_amores72

 

“Morro de Amores” em Cavalões e Ribeirão

No próximo fim-de-semana, 28 e 29 de Outubro iremos apresentar a nossa última criação “Morro de Amores” em duas freguesias do concelho de Famalicão no âmbito do programa “Casa das Artes e envolvente” da Casa das Artes de Famalicão.

A apresentações serão no Salão Multiusos de Cavalões no dia 28 e no Centro Paroquial de Ribeirão no dia 29. Ambas as sessões serão às 21h30 e com a entrada gratuita, sujeita à lotação da sala.

morro_de_amores95

Sinopse

Perto da aldeia há uma árvore com um pequeno banco, que de tão pequeno quando se sentam duas pessoas elas ficam muito juntas. Acredita-se que a árvore tem poderes. Essa árvore fica bem lá em cima, no Morro de Amores, como todos o chamam. Nesse morro sentem-se histórias de amor que se perpetuam no tempo e fazem crescer esse morro de dia para dia.

O espectáculo “Morro de Amores” surge inspirado por conversas com um grupo sénior com quem a Fértil desenvolveu um projecto artístico e comunitário sobre o tema amor.

FICHA ARTÍSTICA

Texto Rui Alves Leitão
Encenação Neusa Fangueiro
Interpretação Alexandre Sá, Isabel Costa e Rui Alves Leitão
Cenografia Migvel Tepes
Música Rui Alves Leitão
Costureira Carmo Alves
Desenho de Luz Paulo Neto
Fotografia Margarida Ribeiro
Vídeo Rúben Marques
Co-produção Fértil, Casa das Artes V. N. Famalicão e Teatro Diogo Bernardes
Apoio Município de V. N. Famalicão e Município de Ponte de Lima

“Eu é que conto” em Braga

No próximo dia 9 de Outubro, às 11h, a Fértil irá apresentar o espectáculo “Eu é que conto” de Neusa Fangueiro na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva em Braga.No próximo dia 9 de Outubro, às 11h, a Fértil irá apresentar o espectáculo “Eu é que conto” de Neusa Fangueiro na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva em Braga. O espectáculo está integrado no Festival Era Uma Vez no Mês, uma Organização da C. M. de Braga. A entrada é livre sujeita à lotação da sala.

IMG_1781

O espectáculo “Eu é que conto” fala-nos de uma senhora que colecciona livros sabe-se lá onde e vem para contar uma história. Mas como é muito distraída chega atrasada, acaba por tropeçar em tudo e sem querer entra numa outra dimensão, a da imaginação. Confusa e com outros personagens a invadi-la constrói uma história diferente, divertida e cheia de criatividade. Baseando-se nos contos dos irmãos Grimm e histórias tradicionais portuguesas esta senhora dá-nos um momento de teatro surpreendente para toda a família.

Bem hajam TATUTEATRO


Muito obrigado à Maricruz e ao Gabriel pelo fantástico espectáculo que nos presentearam ontem na Casa da Pedreira. Obrigado também à Ana e ao Diogo por os terem trazido a Portugal. E um grande bem haja ao público.

TATUTEATRO do Uruguai passa pela Casa da Pedreira

No próximo dia 12 de Agosto, às 21h30, arranca a itinerância em Portugal da companhia de teatro TATUTEATRO do Uruguai com o seu espectáculo “Viver Com Honra, Morrer Com Glória”. O arranque desta itinerância está marcado para a Casa da Pedreira, Gondifelos (VN Famalicão), espaço da Fértil Cultural.

DSC_0216 - Edited_opt

“Viver Com Honra, Morrer Com Glória” é um espectáculo que retrata a vida de Maricruz Díaz como mãe e como cidadã activa na política do Chile. A forma de como lutou pela democracia do seu país apoiando Allende e de como vivenciou tudo isso enquanto mãe. Salvador Allende morre pouco antes da sua filha Victoria nascer.

Oficina “Música Reciclada” na Fundação Cupertino de Miranda

No dia 30 de Julho, a  Fértil Cultural irá participar em mais uma edição dos “Sábados em Família” da Fundação Cupertino de Miranda de V. N. de Famalicão, desta vez com a oficina “Música Reciclada”. As inscrições podem ser feitas pelo 252 301 650 e museu@fcm.org.pt.

musica reciclada 04

A música é uma reciclagem dinâmica de sons que nós usamos todos os dias. Para além da reciclagem dos sons, nesta oficina pretendemos desenvolver duas temáticas: a construção de instrumentos musicais com objectos em fim de vida e tocar música com esses instrumentos. Nos dias de hoje é indiscutível a importância da educação ambiental em qualquer geração. A educação artística aliada à educação ambiental é objectivo mais forte desta oficina.

Na construção os participantes irão criar verdadeiros instrumentos musicais com os objectos mais improváveis. O objectivo principal é mostrar que o fim de vida de um objecto é definido por nós e que se houver criatividade podemos dar vida a imensas coisas que iriam para o lixo.